ENCONTRO NO SEESP DEBATE AGROTÓXICOS NO BRASIL
Por Diógenes Pierre Gonzales

O atendimento em constantes casos de leucemia e outros tipos de câncer, feito no Bio Saúde de Cuiabá e pelas equipes do “Nortão” do Mato Grosso, nos abrem uma triste perspectiva da saúde para as gerações de hoje tanto dos jovens e, principalmente, das crianças.

O Dr. Pignati, clínico geral, residente em Cuiabá, não se cansa de denunciar os malefícios do agronegócio, onde o gado e principalmente a soja são as causas principais da baixa imunidade e intoxicação de pessoas e meio ambiente em todo Mato Grosso, podendo incluir todos os Estados brasileiros, todos os países europeus e principalmente a China, para os quais o gado e a soja do nosso país são exportados.

Os exames do leite materno, feitos em 62 mulheres da cidade de Lucas do Rio Verde-MT, mostram algum tipo de agrotóxico. Os exames de urina e sangue feitos em manipuladores de veneno naquela região, usando laboratório sofisticado na Alemanha, apresentaram em cada pessoa, pelo menos, 15 espécies de agrotóxicos. A TV Centro América, globo local, todos os anos, em fevereiro, denuncia a mortandade de milhares de peixes no pantanal. Isso acontece depois das primeiras enxurradas lavando da terra os venenos espalhados pelos aviões.

Se todas as mulheres e todos os trabalhadores examinados apresentaram agrotóxicos e se milhares de peixes morreram envenenados, com certeza, essa tragédia se estende a milhões de mato-grossenses como todos os peixes dos nossos rios que, uma vez eram limpos, e hoje estão com as águas envenenadas. Caso fossem feitos exames individuais a cada pessoa e cada animal.

A Presidente afastada, Dilma Roussef, estando na região, de cima de tratores, ELOGIOU o agronegócio que está dando lucros ASTRONÔMICOS aos cofres federais; porém nos deixa entrever um futuro macabro para as gerações de crianças e jovens que habitam a região. São essas as causas principais da intoxicação e da baixa imunidade causadoras de anemias profundas, geradoras de leucemias, e outros tipos de câncer e muitas outras doenças.

Outro grande causador de câncer e problemas sérios de pele, são os alimentos transgênicos. No projeto Bio Saúde da ABRASCO ficamos sabendo da situação de um menino do Paraná que há 4 anos vinha se tratando sem sucesso, contra a leucemia com a medicina convencional. Em 3 meses o menino estava curado. Com o tratamento a base de produtos orgânicos, ervas e fitoterápicos, a causa dessa leucemia detectada: ele consumiu alimentos transgênicos importados da Argentina.

O PERIGO INVISÍVEL E FATAL

A Conclusão final e fatídica é de que os peixes de água doce estão seriamente contaminados. Assim como o leite materno de mães expostas aos agrotóxicos; os mercados estão cheios de agrotóxicos e transgênicos que OBRIGA a população a consumir alimentos encenenados. Animais são também alimentados com transgênicos e outros agroquímicos, de sorte que as carnes consumidas pelo ser humano também se encontram contaminadas.

UM PAÍS ENVENENADO

Este relato do Padre Renato, membro do Conselho Estadual de Direitos Humanos do Mato Grosso, mostra a situação alarmante que nosso país vive.



Na capital paulista, o Sindicato dos Engenheiros do Estado de São Paulo é sede, mais uma vez, do encontro que debate e combate os agrotóxicos! Como poderia uma tecnologia vinda do pós guerra, gerada para matar seres vivos, promover a vida em nossos campos agrícolas e em todos os lugares? Está claro que os interesses econômicos se sobrepõem à saúde da população, das plantas e dos animais!

Um estudo da Associação Brasileira de Saúde Coletiva, Abrasco, mostra que o Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo. Estima-se que cada brasileiro ingira pet, indiretamente, uma média de 5,2 litros de venenos por ano, o equivalente a duas garrafas e meia de refrigerante, ou a 14 latas de cerveja. Além disso, utiliza 22 produtos que já foram BANIDOS de seus países de origem, devido à comprovação dos efeitos nocivos. Também convivemos com a falsificação e o contrabando desses venenos.

Segundo o Dossiê Abrasco, 70% dos alimentos “in natura” consumidos no país estão contaminados por agrotóxicos. Desses, de acordo com a Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), 28% contêm substâncias não autorizadas.

O uso crescente de agrotóxicos em nosso país deve-se a dois fatores prioritários: 1° - a opção por um modelo de desenvolvimento baseado em latifúndios de monocultora voltada para exportação; 2° - uma série de políticas, como a redução e a isenção de impostos para a produção e comercialização dos venenos que, ao longo do tempo, tem incentivado o uso desses produtos na agricultura. O país oferece mais benefícios ao cultivo com o uso de agrotóxicos, do que ao cultivo de alimentos orgânicos (sem veneno). Mas, se houve um incentivo ao uso de venenos na produção agrícola, este não foi acompanhado pelo cuidado em treinar e orientar os produtores rurais quanto à manipulação e aplicação desses produtos, o que tem levado a milhares de casos de contaminação de trabalhadores do campo.

Além de ter estimulado o uso de agrotóxicos, a política governamental também incentivou os agricultores familiares a trocarem as sementes tradicionais, que eles mesmos selecionavam e plantavam, pela semente transgênica, sob alegação de que era mais produtiva, comprometendo, assim, a sobrevivência econômica e a segurança alimentar dessas populações.

A ideia do debate, em que o SINESP participou e apoia, é alertar a população brasileira sobre o perigo silencioso dos agrotóxicos! Conscientizar à todos desse risco que é “invisível” mas, FATAL!


Foto Ernane Silveira Rosas e Deputado Nilton Tatto


Para o Presidente do Sindicato dos Nutricionistas do Estado de São Paulo, Dr. Ernane Silveira Rosas, a cultura ORGÂNICA promove a VIDA! É o ambiente produtivo que respeita a “Mãe Terra”! que preserva as plantas, as minhocas, abelhas, joaninhas, pássaros, crianças, jovens, adultos e idosos! São alimentos cultivados com a energia de cada trabalhador agrícola! Já, na agricultura convencional, onde se utiliza veneno, o que se promove é a MORTE LENTA de todos os seres vivos!

       
NUTRI NOTICIAS Nº 84
Edições Anteriores
NUTRI NOTICIAS Nº 83
NUTRI NOTICIAS Nº 82
NUTRI NOTICIAS Nº 81
NUTRI NOTÍCIAS Nº 80
ecoleo CVC
  INSTITUCIONAL JURIDICO CONTRIBUIÇÕES CURSOS BENEFÍCIOS +  
  Quem Somos Atendimento Associativas SindiNutri-SP Convênios LINKS  
  Palavras do Presidente Piso Salarial Sindical Parceiros Hotéis / pousadas CONTATO  
  Diretoria Atual Tabela de Honorários Confederativa Pós-Graduação      
  Colaboradores Convenções/Disssídios Assistencial        
  Estatuto Homologações Dúvidas Frequentes        
  Conheça o SindiNutri-SP            
  Sede São Paulo

Rua 24 de Maio, 104 - 8 andar - Centro - 01041-000
Fones: (11) 3337.5263 / 3338.2539
E-mail: sinesp@sindinutrisp.org.br
Horário de atendimento: 9hs às 17hs00 de 2ª à 6ª
 
2014 - Sindicato dos Nutricionistas do Estado de São Paulo
Desenvolvido por IZ3